Skip to main content

Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás?


 


Sobre os recentes fatos ocorridos nesses dias...


Caros amigos e amigas:


Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás? Habacuque 1:2


Venho externar minha preocupação sobre os acontecimentos ocorridos nessas últimas semanas na cidade de São Paulo. Li as notícias sobre os atos de violência de um grupo de jovens contra três rapazes que segundo consta eram homossexuais.


Gosto de passear pela Av.Paulista e ver toda aquela diversidade de pessoas transitando democraticamente nas largas calçadas. Há lugar para todas as pessoas naquele espaço. É difícil acreditar que justamente ali, e na vista de muitas pessoas, a intolerância encontrou espaço.


Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás?



Também é difícil   compreender que o espaço de uma grande Universidade abrigou um Manifesto em sua Home Page, contra entre outras coisas, o direito de um ser humano ser o que é. Parece que os papéis e os limites da Igreja dentro da Universidade ainda não estão claros suficientemente.


Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás?



Recebi um convite feito por um de nossos paroquianos, um filho da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, que busca colocar em prática o mandamento central de Jesus Cristo: o amor a Deus e ao Próximo. De fato, todos nós estamos fartos da ausência de amor nessa sociedade, expressa nas diversas formas de violência. Quem é violentado tem um rosto e uma história, tem uma família, tem pessoas que o amam...    


   Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás?


Estarei lá apoiando essa iniciativa juntamente com membros de nossa comunidade de fiéis. Quero convidá-los para que também participem desse ato público manifestando sua indignação de forma pacífica.


Que Deus nos ajude!


Arthur Cavalcante +


Reitor da Paróquia da Santíssima Trindade


Saiba mais sobre a Pastoral da Igreja da Trindade sobre Diversidade Sexual



 


Mais Informações sobre o Ato  organizado pela APOGLBTSP (Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo) conjuntamente com o Instituto Edson Néris, Grupo CORSA e outros representantes do movimento LGBT de São Paulo:


Na última terça-feira (16) o Chanceler e Reverendo da Universidade Presbiteriana Mackienzie, uma das maiores e mais influentes Universidades do Brasil, Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes publicou uma carta em que, em nome da Universidade, ele se posiciona contra a aprovação do PL-122 (conhecido como Lei da Homofobia), citando passagens bíblicas e alegando que a cultura brasileira está cada vez mais distante das referências de certo e errado.

A ação do Chanceler do Mackenzie, além de fundamentalista e assustadoramente maniqueísta, contraria o Estado de Direito democrático e laico. Não podemos deixar passar em branco, afinal o posicionamento tomado por este senhor abrange muito mais do que a questão da legalidade homossexual, mas envolve a liberdade de escolhas, de orientação e de expressão.

Esse manifesto não tem conotação homossexual, heterossexual ou nenhuma orientação sexual direta. É um movimento em prol da liberdade de escolha, da liberdade de expressão, onde todos estão convidados a demonstrar a sua liberdade como bem entender.

Não podemos deixar essa oportunidade passar em branco para demonstrar nossa pluralidade de escolhas sem medo e sem vergonha!

A presença de todos será muito importante e muito bem vinda.

Universidade Presbiteriana Mackenzie
24/11/2010 - Quarta Feira
Concentração às 16h30
Manifestação às 18h00 (entre o horário de saída das turmas da tarde e a entrada das turmas da noite).

Tragam cartazes, bandeiras, cornetas, alto-falantes, tirem o pó das vuvuzelas e vamos ver e ser vistos!


 


Repercussões na mídia:


Sobre o Manifesto da Unversidade Mackenzie



Reportagem da Rede Record-Vídeo